quinta-feira, 27 de julho de 2017

Carta aberta aos amigos por Ricardo Gondim


Noto uma decadência célere em minha geração. Chegaram os dias maus? Monstros saem das cavernas em maior número. Cinismo e frieza se misturam tanto na política como na religião. Fico surpreso com o número de pessoas que consegue justificar genocídio. A falta de alternativa nos fóruns econômicos agudiza doenças e fome. A necessidade da indústria bélica de renovar os estoques e testar novos mísseis não poupa crianças e idosos. Em tempos difíceis, precisamos dar as mãos, semear afetos e reativar o hábito de abraçar. Sinto que devo redobrar o empenho e não perder um só amigo. Carecemos uns dos outros, daí a carta.
Por favor, cuidem-se. Entendo que a maioria de vocês não fuma, não bebe exageradamente e sabe dos malefícios do colesterol. Não, não falo de um cuidado periférico. Peço que cuidem da alma, a indescritível força que nos faz humanos. Procurem aprender a gostar de música clássica (até as vacas leiteiras sabem dos benefícios). Leiam romances, novelas, ficção científica, poesia. A estrada do manicômio está pavimentada com teses argumentativas. Debates intermináveis sobre minúcias filosóficas e questiúnculas teológicas enlouquecem. Há pouco visitei um amigo internado numa clínica. Imaginem minha tristeza quando o vi, repetindo para as paredes que havia descoberto o significado do 666 do Apocalipse.
Por favor, fujam do pecado. Não, não me refiro às tentações menores catalogadas nos manuais religiosos; elas não conduzem à santidade, mas ao moralismo. Lembrem: o que nos desgraça está ligado ao poder. Na oração do Pai-Nosso, Jesus ensinou a pedir a Deus: não nos deixe cair em tentação, mas nos livre do mal. Dizem os melhores exegetas que os protestantes citam uma cláusula final apócrifa.  -Pois teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Essa última frase não faz parte da prece original. Há consenso de que algum escriba, séculos depois, resolveu interpretar o significado do mal que Jesus nos ensinou a pedir para ser livres. Quando afirmamos teu é o reino, o poder e a glória, reconhecemos: o mal mais horroroso vem da cobiça do poder. Aceito a interpretação do monge anônimo. Guardem a lição: o anel de Tolkien nunca deixa de ameaçar. Nunca esqueçam: ninguém é invulnerável. O poder transforma anjos em demônios e faz com que homens e mulheres virem diabos.
Por favor, lembrem: as duas únicas dimensões de vida que dispomos são o passado e o futuro. O futuro se desfaz tão velozmente em passado que nunca conseguimos estancar o presente; ele escapa por entre os dedos. Viver se resume em esperança e em lembrança. Todos os nossos atos, um dia, serão saudade ou remorso. Semeamos hoje para colher no porvir. Cada pessoa sempre escolhe como será o seu futuro. Não atrofiem a alma com ansiedade desnecessária – toda esperança mal antecipada pode virar ansiedade.
Restam conselhos triviais: não se atrevam na política sem enorme cuidado – não tolero imaginar qualquer um de vocês saindo de camburão da Polícia Federal. Evitem andar de motocicleta. Não parem em sinal de trânsito tarde da noite. Cuidado com praias infestadas de tubarão. Aos homens, sugiro: abandonem o paletó e a gravata e nunca, em hipótese nenhuma, tinjam os cabelos. Às mulheres, advirto: não apliquem botox nos lábios.

Com carinho,


Ricardo


Soli Deo Gloria

terça-feira, 25 de julho de 2017

Jim Carrey prega sobre salvação em Cristo em centro de recuperação

O famoso ator Jim Carrey fez um discurso recente sobre sua fé em Jesus Cristo em um ministério cristão que se dedica a ajudar na recuperação de usuários de drogas e ex-presidiários. Após ser apresentado pelo líder cristão que dirige o local, ele declarou: “Esta sala está cheia de Deus”.
Em seguida, afirmou que tem passado por momentos difíceis em sua vida nos últimos anos e que “o sofrimento leva à salvação.” Disse ainda que Jesus sofreu mais que todos na cruz, mas escolheu o caminho da submissão a Deus e o perdão e que todos deveriam fazer o mesmo.
Com o nome de Homeboy Industries, a organização visitada por Carrey fica em Los Angeles e seu foco é auxiliar pessoas que estiveram envolvidas em gangues. Além de oferecer ajuda com advogados, eles também pagam pela remoção de tatuagens com os nomes das gangues e auxiliam as pessoas a procurarem emprego e “começar de novo”.
“Vocês estão aqui e isso indica que estão tomando uma decisão: trilhar o caminho do perdão e graça. Assim como Cristo fez na cruz. Ele sofreu terrivelmente e deu tudo por nós, a ponto de morrer”, assegurou o ator em uma mistura de testemunho e pregação.
“Usar o sofrimento e transformá-lo em compaixão e perdão é o que abre as portas do céu para todos nós. Isto é o que eu desejo para todos vocês e eu quero isso para mim também”, assegurou, sento bastante aplaudido.
Carrey tem um histórico de envolvimento com drogas e deve ir a julgamento nos Estados Unidos pela morte de uma ex-namorada.
Embora ele não tenha vindo a público anunciar sua conversão a Cristo, o vídeo onde ele aparece pregando sobre Jesus tem chamado a atenção da mídia como um indício de que o ator teve uma mudança de vida recentemente. 
Com informações de Hello Christian

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Projeto de organizações religiosas da Itália acolhe mais refugiados que 15 países europeus


Diante da crise humanitária protagonizada por refugiados, a promessa da União Europeia (UE) era de receber 160 mil asilados. No entanto, o número de cidadãos do Oriente Médio que encontra abrigo em nações da UE de maneira legal e segura ainda é pequeno. Em um ano, um projeto coordenado por três organizações religiosas da Itália ofereceu entrada segura no país a 700 refugiados, mais que a soma dos acolhidos por 15 países da UE juntos. 

Inédito na Europa, o projeto é baseado em um acordo assinado entre os ministérios do Interior e de Relações Exteriores da Itália e três comunidades religiosas: a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, a Mesa Valdesa, e a Santo Egídio, sendo essa última a que assume maior parte das responsabilidades.

No projeto, as organizações religiosas selecionam as pessoas a serem assistidas e cobrem todas as despesas da viagem, acolhida, dos processos burocráticos envolvidos. As autoridades italianas colaboram nos assuntos de segurança e devem conceder a aprovação a cada uma das chegadas. 

Uma vez na Itália, a comunidade Santo Egídio se encarrega de dar a primeira acolhida e oferecer soluções de longo prazo aos refugiados, e dessa tarefa participam muitas outras associações da sociedade civil, religiosas e laicas. As associações financiam também aulas de italiano, sem recursos do Estado.

Com esse método, os refugiados assistidos pelo projeto contam com uma acolhida segura e controlada, que ajuda na integração de quem foge da guerra e que, do contrário, poderia ser vítima de outros males, como tráfico de pessoas. Além de impedir a exploração, essa solução visa evitar as viagens em embarcações precárias pelo Mediterrâneo, onde 5 mil pessoas morreram em 2016, e proteger aos mais vulneráveis.

Leia mais sobre a iniciativa na matéria do El País.

domingo, 23 de julho de 2017

Número de evangélicos dobra em 30 anos e são cada vez mais presentes na França

Imagem redimensionada

A revista L’Obs desta semana traz uma reportagem de quatro páginas sobre a ascensão das igrejas evangélicas na França. Segundo o texto, um novo templo é inaugurado a cada dez dias e essa já se tornou a religião mais dinâmica do país após o Islã.

Com o título “a irresistível ascensão dos evangélicos”, a reportagem começa falando do sucesso da turnê pela França do pastor australiano Nick Vujicic, que reúne milhares de pessoas por onde passa.

Cerca de 15 mil pessoas eram esperadas nesta sexta-feira 14 para a aparição do evangélico na cidade do Havre, na Normandia, no noroeste da França. “Durante quatro dias, o estádio vai vibrar ao ritmo de sons e luzes, como shows de rap, mas também com conferências e ateliês durante os quais 30 mil DVD sobre a vida de Jesus serão distribuídos”, relata a reportagem.

Porém, mesmo que esse tipo de operação seja inédita no país, ela confirma a ascensão das igrejas evangélicas na França. Durante muito tempo ignoradas, as igrejas evangélicas são classificadas pelos franceses como seitas – como a brasileira Universal do Reino de Deus, presente na França, mas que não é citada pela reportagem.

Essa reputação se deve principalmente “aos cultos exuberantes marcados por rituais de curas milagrosas, transes e rezas murmuradas em línguas imaginárias e tino para os negócios das igrejas evangélicas”. Mas agora, elas “estão em pleno boom” no país, explica a reportagem.

Evangélicos atrás apenas do Islã

Segundo o texto, o desenvolvimento do evangelismo fica atrás apenas do Islã. “Mesmo se com 720 mil fiéis os evangélicos ainda estão longe dos entre 3 e 5 milhões de muçulmanos franceses e dos 10 milhões de católicos praticantes, eles dobraram em apenas 30 anos”, analisa o texto.

L’Obs relata que 2,2 mil igrejas evangélicas abriram suas portas em menos de 40 anos, 400 delas apenas nas periferias de Paris. E, segundo Etienne Lhermenault, presidente do Conselho Nacional dos Evangélicos da França (Cnef), que federa dois terços dos evangélicos da França, o objetivo do grupo é triplicar o número de templos nos próximos anos.

“A progressão nas periferias é espetacular”, relata a reportagem, que visitou um tempo da igreja pentecostal do Centre du Renouveau chrétien (Centro do renascimento cristão, em tradução livre), em Clichy-sous-Bois, região na qual os muçulmanos são maioria. O texto explica que, como em outras zonas periféricas, a maioria dos fiéis evangélicos vêm da África subsaariana ou das Antilhas. Mas essas novas igrejas também já estão recrutando e convertendo muçulmanos.

L’Obs explica que as igrejas evangélicas também começam a ser reconhecidas no cenário político francês. A tal ponto que, pela primeira vez na história, seus representantes foram convidados para a cerimônia de posse do presidente Emmanuel Macron, em maio passado.

Fenômeno pouco estudado na França

A revista frisa que os evangélicos são um fenômeno pouco estudado na França, tamanha a diversidade do grupo, formado por pentecostais, batistas, metodistas, adventistas ou ainda neo-carismáticos. “É difícil se achar em meio a uma galáxia heterogêneo de 45 uniões de igrejas que reúnem realidades muito diferentes”, analisa.

“Algumas igrejas chegaram com a imigração, outras com os ciganos, e outras são herança dos protestantes do leste da França. A única coisa que esses seguidores têm em comum é a leitura diária do Novo Testamento e uma adesão voluntária dos fiéis, que devem escolher livremente se querem ser batizados”, comenta o texto. Mas em seguida, cada pastor é mestre em seu tempo, livre de pregar como quer, continua.

A grande diferença, explica o texto, é que “ao contrário dos remorsos dolorosos e da confissão dos pecados das igrejas católicas, ou das várias proibições presentes no Judaísmo e no Islã, entre os evangélicos não há distância com Deus”. Os fiéis “chamam Deus de “você” e falam com ele em todas as circunstâncias da vida”, ressalta a reportagem.

L’Obs também explica a diferença entre as igrejas evangélicas, apresentadas como dissidentes do protestantismo, e os templos luteranos e calvinistas. Para a reportagem, os evangélicos são mais conviviais e alegres, enquanto os outros são austeros, discretos e puritanos.

Porém, “os mais conservadores não são necessariamente aqueles que imaginamos”, pondera a revista, lembrando que, em 2015, quando vários pastores protestantes “tradicionais” aceitaram a união de casais do mesmo sexo, a notícia provocou a ira dos evangélicos. “Apesar dos cultos organizados como shows de rock, para os evangélicos é inadmissível mexer nos valores tradicionais da família”, ironiza o texto.

Mais de 1.000 adolescentes saem às ruas para evangelizar, na França

Imagem redimensionada
Na última sexta-feira (14) a cidade de Le Havre, no norte da França, sediou um grande encontro cristão, chamado "Bouge ta France" ('Mova sua França'). O evento levou milhares de evangélicos franceses a serem ministrados pelo evangelista Nick Vujicic (foto ao lado) e a orarem por seu país.

Na data em que também se comemora o Dia da Bastilha (Dia Nacional da França), 8 mil evangélicos se reuniram em um estádio para orar pelo país pela manhã e, à tarde, mais de 10 mil já esperavam pela ministração de Nick Vujicic.

Esta incrível história começou há quatro anos, quando um grupo de cristãos que obteve decidiu organizar um evento juvenil e evangelístico. O dia começou com a famosa banda francesa 'Impact' e sua música de sucesso "Sola Gratia" ('Somente a Graça'), seguido de um sermão sobre o lema nacional "Liberté, égalité, fraternité" (Liberdade, Igualdade e Fraternidade), que inspirou a Revolução Francesa ao final do século XVIII (1789-1799).

Então na época, uma parte importante da manhã foi dedicada à oração, com Franck Meyer, prefeito e presidente do 'Comitê Protestante pela Dignidade Humana'. Os evangélicos ali reunidos oraram pelo país, pelas autoridades, contra o ódio e pela liberdade religiosa.

A fervorosa multidão participou ativamente daquele momento de oração e ainda hoje, os organizadores do evento estão mantendo firme a esperança de ver um despertar espiritual acontecendo na França - um país que atualmente tem sua sociedade extremamente secularizada.

De acordo com Patrick Dudas, presidente da Bouge ta France, o evento foi um sucesso em nível global e os organizadores treinaram mais de de 1.000 adolescentes que foram fortalecidos em sua fé para se engajarem em ações de evangelismo.

Os jovens participantes já haviam praticado os ensinamentos na tarde do dia 13 nos arredores de Le Havre, o que era um desafio para muitos deles, pois eles estavam fazendo evangelismo nas ruas pela primeira vez, mas os as pessoas nas ruas geralmente recebiam bem a iniciativa. Eles se concentraram em convidar as pessoas para o evento e ouvir a pregação de Nick Vujicic.

Os organizadores disseram que ficaram satisfeitos pelo evento em todo o mundo - mesmo que as questões de segurança tenham sido mais complexas para lidar - e, em particular, as relações com as autoridades foram muito positivas. Os adolescentes agora estão prontos para ir às suas próprias cidades e continuar compartilhando a mensagem do Evangelho, e essa é a segunda parte do evento, com 40 projetos em todas as regiões da França, que serão implantadas até junho de 2018.

No dia 14, o evento Bouge ta France foi transmitido para algumas ilhas francesas no exterior. Muitos puderam ouvir a pregação de Nick Vujicic pela transmissão de vídeo.

Fonte: Carta Capital e Guia-me

sábado, 22 de julho de 2017

Pastor afirma que suicídio é pecado, mas “não separa da graça”

“Se a nossa salvação depender de na hora da nossa morte ter colocado em dia todos os nossos pecados, então pouca gente vai escapar, não é?”, questionou Augustus Nicodemus


Em um vídeo divulgado na Conferência Fiel para Jovens, o pastor da Igreja Presbiteriana do Brasil, Augustus Nicodemus, tratou de um tema delicado na história da humanidade, envolvido por tabus: O suicídio.
Questionado por alguém, Nicodemus respondeu. “Eu acho que todos nós temos que concordar que o suicídio nunca deveria ser a saída. É um dos pecados proibidos no mandamento ‘Não matarás’”, introduziu.
“Interpretado pela comissão de fé de Westminster, ele diz que esse pecado não só proíbe que a gente tire a vida dos outros, mas que tire a nossa própria. Então, o suicídio é pecado”, disse Augustus.
Em seguida, o líder iniciou sua argumentação. “Todavia ele não é um pecado sem perdão. O único pecado sem perdão, que tem na Bíblia é a blasfêmia contra o Espírito Santo. E provavelmente esse pecado não é cometido por alguém que é crente”.
“Então pode acontecer com todos esses fatores, como pressões externas, problemas psicológicos, problemas existenciais que um crente em um momento de fraqueza ele ceda”, disse o líder.
No entanto, Augustus não concorda com a visão comum de que o suicídio é um pecado “suficientemente forte” para que um cristão não seja salvo. “É pecaminoso? De fato é. Mas, não será isso que irá separá-lo da graça de Deus e do perdão que é dado em Cristo Jesus”, disse.
“Se a nossa salvação vai depender de na hora da nossa morte a gente ter colocado em dia todos os nossos pecados, então pouca gente vai escapar, não é?”, questionou o líder presbiteriano.
“Então, a pessoa que cometeu o suicídio e atentou contra a própria vida, de fato pecou contra o mandamento ‘Não matarás’, mas isso não a impedirá de entrar no gozo da vida eterna porque a salvação é dada pela graça de Deus e nada pode nos separar disso”, afirmou.
Por fim, o pregador fez uma analogia. “Se eu estiver em uma rodovia, brigando com a minha mulher e discutindo com ela, brigando feio com ela e de repente nós temos um acidente e morremos ali naquele momento sem termos tido a oportunidade de nos reconciliar, não vai ser isso que vai impedir de entrar na vida eterna. Porque é pela graça e misericórdia de Deus”.
gospelprime

Receba no seu e-mail informações de Presentia

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...